terça-feira, 25 de abril de 2017

43 ANOS DEPOIS - COMO ESTAMOS ?

Não sou antigo, nem kota, nem velho. Sinto-me menos revolucionário ou reaccionário, com mais sabedoria, com mais tolerância, mais livre e de bons costumes e fraterno para com os outros, procurando sempre o serviço causa pública "Eques a obsequim", sem receio nem temor. Não sou saudosista do império materialista e fronteiriço, mas sim saudosista do futuro do Império Espiritual que une povos e culturas com os mesmos denominadores comuuns. Somos todos cidadãos e com mais direitos e deveres que a moeda, a qual é um instrumento de uso do Homem, consequentemente os cidadãos deveriam circular livremente pelo Mundo e não a moeda. Não adianta dizer que antigamente é que era bom, porque se o presente é o que é, foi porque todos contribuídos para a mudança de geração em geração e assim vai continuar a ser no futuro. Não vergarei à intolerância, não vergarei no combate à corrupção que destrói o ser humano e os povos, não deixarei de continuar a expressar o que penso: quero uma cidadania lusófona plena e integra!

sexta-feira, 21 de abril de 2017